Qual o papel da digitalização na transformação da política e da sociedade?

Seminário "Democracia Virtual" em Florianópolis

Também disponível em Deutsch

Qual é o papel da digitalização na transformação das formas de participação política? De que forma a internet e as redes sociais têm ao mesmo tempo por um lado levado à disseminação da informação e da comunicação e, por outro, gerado novas formas de criminalidade? Estes foram os temas debatidos entre especialistas brasileiros de diversos think tanks, da mídia e da ciência no encontro sobre "democracia virtual" em Florianópolis, capital de Santa Catarina, no sul do Brasil.

Imagem 1 de 5
Palestrantes especialistas e os organizadores

Palestrantes especialistas e os organizadores

Qual é o papel da digitalização na transformação das formas de participação política? De que forma a internet e as redes sociais têm ao mesmo tempo levado à disseminação da informação e da comunicação e gerado novas formas de criminalidade? Estes foram os temas debatidos por especialistas brasileiros de diversos think tanks, da mídia e da ciência no encontro sobre "democracia virtual" em Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina, no sul do Brasil. O seminário foi organizado pela Fundação Konrad Adenauer Brasil e o think tank Instituto Igarapé bem como a Universidade Federal de Santa Catarina.

Por um lado, com o Marco Civil da Internet, o Brasil criou uma espécie de 'carta constitucional para a internet' que alcançou grande reconhecimento internacional. Por outro lado, o Brasil está vivenciando uma enorme desigualdade digital: enquanto nas áreas urbanas a falta de acesso às redes sociais quase levou ao colapso social (evidenciado pela suspensão de 48horas - por ordem judicial - do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp em fevereiro deste ano), quase metade dos 206 milhões de brasileiros vive sem acesso à internet. No Brasil, como no mundo inteiro, um espírito de otimismo gerado pela ideia de que a internet seria um instrumento neutro capaz de fortalecer a democracia e o estado de direito através da participação deu lugar a uma percepção contrária: o acesso a informações através da internet não implica necessariamente condições melhores de engajamento e organização da vida política. Em vez disso, a digitalização impõe ao âmbito legislativo e à Justiça desafios inteiramente novos na medida em que direitos de liberdade (digital) de diversos grupos sociais acabam tendo de ser julgados e ponderados uns em relação aos outros. Cada vez mais, as novas formas de cibercriminalidade têm tornado a internet uma fonte de ameaças.

Os especialistas debateram especificamente o tema do impacto da internet e das redes sociais sobre a cultura de interlocução social e da informação. O fenômeno do “filtro-bolha", no qual os algorítimos de redes sociais apresentam a todos os usuários "câmaras de eco" personalizadas, ou seja, ambientes de reverberação apenas de opiniões afins, não é propriamente novo. No entanto, as sociedades no mundo todo já perceberam que, com esses instrumentos técnicos, há um fortalecimento de tendências como a (falta de) cultura de interlocução, a polarização e o tão propalado desencantamento com a política "pós-fato" - mesmo porque há novos instrumentos surgindo: não apenas na campanha presidencial americana, mas também na campanha à presidência no Brasil no ano de 2014 houve o uso de bots e notícias falsas. Em sua palestra, o prof. Maurício Santoro, professor de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, enfatizou que a questão da governança da internet é um desafio global que transcende a esfera de atuação dos Estados nacionais. A condição quase monopolista de empresas como o Google e o Facebook (se o faturamento dessas empresas fosse inserido em uma lista de Estados organizada de acordo com o PIB, elas figurariam nas posições 69 e 116 respectivamente) levanta novas questões sobre a necessidade e efetividade da regulamentação política sobre a economia.

A questão acerca das implicações político-sociais da digitalização e a necessidade de atuação na esfera política - tanto no âmbito nacional quanto global - ganharão cada vez mais relevância no futuro. Justamente em desafios internacionais como esses é que o intercâmbio interdisciplinar e também internacional é necessário e enriquecedor. Do ponto de vista de uma fundação política alemã, nesse sentido, perceber interfaces entre os debates travados no Brasil e na Alemanha e também facilitar o diálogo entre eles foi especialmente interessante.

Autor

Alexandra Paulus

Série

Contribuições aos eventos

publicado

Brasilien, 24 de Novembro de 2016

Contacto

Aline Bruno Soares

Coordenadora de Projetos de Educação Política

Aline Bruno Soares
Tel. +55 21 2220 5441
Fax +55 21 2220 5448
Idiomas: Português,‎ English,‎ Deutsch,‎ Español